quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Apresentação de Alguém Desconhecido

Olá a todos que aqui estão lendo este pacato e simples blog de um nada experiente dono. Espero, que gostem de lê-lo assim como eu gosto de escrever em suas linhas negras e invisíveis. Vão perceber, que as vezes, exagero na filosofia, então não achem estranho, faz parte do meu eu. Não me considero escritor, nem cronista, nem poeta, sou apenas alguém desconhecido que escreve aquilo que sente. O título do blog é apenas um nome que achei interessante para ele, pois ele será, O Cronista. Vai ser em suas "linhas" que cada texto e poesia será escrito e mostrado ao público que se interessar por aquilo que aqui estiver. Quanto a mim, posso dizer apenas algumas palavras neste momento, portanto, prefiro mostrar algo que fiz, anteriormente, para poder explicar a entedível confusão que existe em mim.


"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo." É, talvez este seja eu, uma pessoa complexa e confusa que nem mesmo se auto-entende e que as vezes tenta encontrar em palavras e fantasia uma resposta para todas as suas perguntas. "A palavra é meu domínio sobre o mundo." Pode parecer complicado, mas não se assuste, não costumo morder, ao menos, é lógico, se isso for a única maneira de se prosseguir vivendo... caminhando... "Pegue para você o que lhe pertence, e o que lhe pertence é tudo o que sua vida exige. Parece uma vida amoral. Mas o que é verdadeiramente imoral é ter desistido de si mesma."
"Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras. Sou irritável e firo facilmente. Também sou muito calmo e perdôo logo. Não esqueço nunca. Mas há poucas coisas de que eu me lembre." Sou aquilo que chamamos de indeciso, encima - do - muro, sem opnião própria, aquilo que nunca está realmente de um lado, ou seria apenas aquilo ou aquele que consegue, ou ao menos tenta, enxergar os dois lados da situação, não seria isso uma opnião? "E se me achar esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar." As vezes travo uma tremenda guerra onde os dois adversários nada mais são do que eu mesmo, sim eu sei, isso é aquela famosa figura de linguagem que nunca consigo lembrar o nome, mas no fim de tudo quem sempre acaba sofrendo com buracos e arranhões é sempre o campo de batalha, ou seja, eu mesmo. "Com todo perdão da palavra, eu sou um misterio para mim."

Alguns dizem que sou perfeccionista, outros afirmam que sou louco e alguns dizem que tenho senso poético, não sei se a interligação disso tudo seja uma coisa boa, pelo menos até agora não gerou nenhum problema. Sou algo também bastante singular, ou quem sabe nem tanto, mas uma coisa que sei é que nunca gosto de fechar minha mão comprida e apontar o dedo para ninguém. Quem somos nós para julgar? Somos todos iguais e mesmo que tenhamos opniões e conclusões a determinados assuntos, nunca sabemos o bastante para dizer se aquele, aquela ou aquilo está ou não realmente certo... aliás quem está certo? Eu escrevendo esse perfil ou você lendo-o? Olha o muro novamente... Pula Douglas!!

"Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo - quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação." Um dia me perguntaram o que eu mudaria em mim daqui a muitos anos, pensei em tudo imaginável, menos aquilo que talvez eu devesse realmente mudar... a insegurança... ou será que não deveria? Sinceramente, eu não sei... uma vez Clarice disse: "Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro." então...

" É que por enquanto a metarmofose de mim em mim mesma não faz sentido. É uma metamorfose em que eu perco tudo o que tinha, e o que sou. E agora o que sou? Sou: estar de pé diante de um susto. Sou: o que vi. Não entendo e tenho medo de entender, o material do mundo me assusta, com seus planetas e baratas." Sou uma pessoa alegre, embora as vezes me fecho em meu interior tentando enxergá-lo de alguma forma, mas é tão difícil. Sinto mudanças e transições, mas as vezes parece que estou no mesmo lugar... procuro pensar no futuro sempre que posso mas me defronto, o que será do futuro? Por que dizer o que farei e como agirei se realmente nunca fizemos nem agimos de tal forma para saber? Não que não devamos pensar no seguinte, no daqui para a frente, mas passar a vida pensando naquilo que virá e deixar de viver aquilo está acontecendo, é loucura... eu talvez nunca tenha uma resposta objetiva ou conclusiva em certos assuntos, não me levem a mal, mas eu não me entendo direito, aliás quem se entende realmente?

Gosto do simples, do singular, daquilo que me dá prazer pelo simples fato de existir e não de valer alguma coisa. Já me deram um robô luxuoso, mas preferi brincar com meus velhos bonecos gastos e sem tinta. "Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo." Sinto a beleza existente naquilo que faz algo existir dentro de mim. Deitar na calçada e observar o céu com o vento sobre meus cabelos. Sentar na grama sobre a sombra de uma árvore e comer frutas colhidas, descalço. Ou até quem sabe se divertir com os amigos num pique nique inoscente sobre uma toalha quadriculada vermelha-branca. Tudo isso tem tanto valor para mim...

Costumo sempre enxergar tudo de um modo diferente... "O que obviamente não presta sempre me interessou muito. Gosto de um modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno vôo e cai sem graça no chão." ... mesmo quando a água está negra e poluída eu consigo, para mim mesmo, encontrar uma beleza que talvez, para os outros, não exista... gosto daquilo que mexe comigo, não sei explicar, quase tudo na vida é inexplicavel, a própria vida não tem sua explicação, está ali para ser vivida... só.

"Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada." Não escrevo por que apenas gosto, escrevo por que sinto que devo escrever...as palavras não se formam no papel, não, elas se formam muito antes dentro de mim. Sentimentos, pensamentos, reflexões, tudo está aqui, dentro de minha cabeça, dentro da minha alma e é apenas transportada para uma folha onde a tinta usada é tão irreversivel quanto a palavra solta por alguém...

Sou indeciso, sou inexplicavel, louco, engraçado, posso até falar sozinho, gosto de dançar, gosto de ler, curto animais e converso com eles como seres de respeito, posso até parecer anormal, mas o que é normal para você? Você mesmo... Por isso não me entenda, se quiser tentar e me ajudar a decifrar isso, fico grato desde já, senão, apenas curta minha presença e me leve contigo para todo o sempre pois poço lhe dizer... "entre as aleluias e as agonias de ser" ... este sou eu.
*Fragmentos destacados de Clarice Lispector*
Obrigado a todos.
Até mais.

4 comentários:

* jaqueliny disse...

Cara, eu sou sua fã!
é incrível, pois me identifico muito com algumas coisas que você disse e tudo o mais... só que, como comentei com você em um dia qualquer desse - dia que já não me recordo com precisão - tem coisas que estão na nossa cabeça, mas a gente não bota para fóra. Ai, alguém com mais intimidade com as palavras, acaba dizendo elas por você.
Aconteceu isso quando eu li o seu post.
E realmente, eu adorei - e acho mesmo que saiu bem melhor escrito do seu jeito.

Rosana disse...

Douglas, muito linda essa sua auto-definição. Acho que nem eu conheço você e olha que deveria, pois te dei a vida. Mas isso não é o suficiente, né? Crescemos e adquirimos a nossa própria personalidade. O importante é você amadurecer pro lado do bem, preservando sempre a sua essência... Te amo muito...

simone disse...

quando leio as coisas que escreve, sinto até um arrepio

um arrepio que representa o orgulho de ser amiga de uma pessoa tão especial (:

-

desejo do fundo do meu coração, que você tenha MUITO SUCESSO e que seja feliz fazendo aquilo que gosta.




beijos :*

Danilo disse...

Caraa...eu vou falar da mesma forma que a simone disse logo acima..Sinto orgulho de saber que tenho não um amigo..mas sim um irmão...com um dom...

Maninho..desejo que todos seus sonhos se concretizem..estaremos sempre juntos..espero poder participar da sua vitória..e fazer parte da sua alegria..abracão..