sexta-feira, 29 de maio de 2009

Um Poema Sem Nome










É tão terrível olhar para o outro do lado do muro

e perceber que aquilo que lhe tornaria feliz
não existe mais para você
e que nem a esperança já o bastante para sobreviver...

Não olhe criança
siga em frente e perceba que a felicidade
é construida a cada dia
e que aquilo capaz de te deixar feliz ainda existe
basta procurar dentro de si mesmo...


Douglas Ibanez

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Os Sete Pecados

Murmurei essa idéia por bastante tempo até poder vir aqui relatar o que pensei. Não sei quanto a vocês, mas considero este tema, Os 7 Pecados Capitais, de forma bastante imaginativa e qu eme faz pensar em muitas coisas mais profundas. Por exemplo, onde eles estão na sociedade? E no ser humano? Teria cada pessoa um Pecado principal que o rege? São perguntas que não possuem uma difícil resposta mas que nos fazem pensar em muitas outras portas que se abrem a partir disto.


Uma das maiores indagações que sempre fiz e continuo fazendo é a seguinte, será que o ser humano sabe o verdadeiro significado de cada Pecado que existe dentro de si? Deixo bem claro que não estou fazendo nenhum evento religioso ou coisa do tipo, mas sim discutindo algo que está no cotidiano, ou melhor, a cada minuto de nossas vidas.


Quando eu pergunto a alguém: O que é a Gula?
Logo me respondem: Comer demais.


Esses são estigmas que está na cabeça da população e permancem, em alguns casos, por um longo tempo sem serem percebidas por quem as usa. O que deixa este assunto ainda mais interessante é a falta de conhecimento, gerando assim algo que não é chamado de "Pecado" por não pertencer a idéia estigmada em mente.

Então, vamos fazer algo interessante, vamos nos aprofundar nos significados e tentar descobrir a profundidade que cada pecado possui.


Avareza

A primeira imagem que surge ao se dizermos essa palavra, creio eu que na maioria das pessoas, é uma mão segurando o dinheiro bem firmemente, como se a Avareza fosse o ato apenas de ser, como dizemos popularmente, pão-duro ou mão-de-vaca. Na realidade, ser avarento é dar maior valor ao que é material e deixar aquilo que realmente importa para trás, se entregar de vez à futilidade material se tornando algo completamente vazio.



Soberba/ Vaidade

A começar pelo nome, que nem todos sabem exatamente o que é, Soberba é a típica gíria "se achar", é se autojulgar o melhor de todos, o maior entre os iguais, o topo da cadeia alimentar em que vivemos, onde o alimento não é necessariamente comida. É o orgulho extremamente avançado de si mesmo que acaba cegando e ensurdecendo ao dono de tal egocentrismo, lhe privando de humildade e de amor ao próximo, prejudicando aqueles que são subjulgados como inferiores.
A Vaidade é um dos grandes estigmas da sociedade em relação ao significado puro de cada pecado. Sua origem não vem da vontade de estar bela, de se olhar no espelho ou de ficar bonita, mas sim como causa disso tudo. A Vaidade é mais do que a vontade de se arrumar, é o sentimento de amar a si mesmo completamente, esquecendo-se do que existe ao seu redor e se focalizando apenas na imagem refletida no espelho. A pessoa se olha por que é vaidosa, esta sim talvez seja a verdadeira essência de tal pecado que não necessita do espelho para existir, mas sim do Orgulho e da Soberba já existentes dentro de nós.




Uma grande curiosidade nos 7 Pecados é fato de estarem sempre se coligando. Funcionam de formas diferentes e por canais bastante diversificados, mas que no fim, acabam sempre em lugares extremamente parecidos e vivem se esbarrando ao longo do caminho, transformando a quem lhes ama em seres totalmente compativeis aos outros. A extravagancia de um acaba abrindo portas para os outros.



Inveja

A Inveja é um dos pecados que talvez mais mexa com o próximo que nos rodeia, pois ela precisa dele para poder sobreviver. É muito a mais do que o ciúme ou a injustiça, é a doentia idéia de se querer exatamente aquilo que tal pessoa possui. É a vontade, o roubo mental daquilo que pertence a outro e que abre portões para N pecados variados. A Inveja é tão forte que pode sim levar a vida de outra pessoa para trás, pois junto com sua força veem outros sentimentos de total morbidez, o ódio, o desgosto, a melancolia, a raiva e muitos outros que são libertos com este pecado. Querer ser o que outra pessoa é, querer estar em seu lugar completamente, ter suas coisas, seus sentimentos, sua propria vida, lhe traz a Inveja como companhia.



Ira

A Ira, ou raiva, cólera e tantos outros nomes que ouvimos por ai, é talvez um pecado que aparece junto de outros. É como se fosse uma concequência por não termos conseguido algo que outros pecados nos satifazem. É o estouro, o grito, a agressvidade animal liberada pelo ser humano por algum motivo particular. Pode ser ele o perfeccionismo, a inveja, a frustração, ou até mesmo a desqualificação de nossa capacidade de resolver nossos próprios problemas. A Ira é formada por diversos motivos e cada um mais pessoal que o o outro. Ela torna o humano um ser agressivo e com sua animalidade exremamente exposta, é o exagero da agressividade.



Preguiça

Este é talvez o pecado considerado mais tolo dentre todos os outros e sinceramente, de certa forma, sou da mesma opnião, talvez pelo fato de eu não ter encontrado no que discutir exatamente neste pecado ou de não ter descoberto a essência do pecado em si. Em minha visão, a Preguiça, se torna um pecado no momento em que deixamos de fazer certas coisas por conta dela. Ao nos prejudicarmos e aos outros por estarmos cansados demais para nos levantarmos do sofá, sendo que nem sempre estamos tão cansados assim, estamos pecando contra nós mesmos e, talvez, esta seja a essência do pecado. (digo novamente que me torno um tanto vago neste ponto, pois não tive ainda a sensibilidade de perceber a profundidade deste pecado.)



Gula

A Gula, como exemplifiquei mais acima, é um dos mais estigmatizados dentre os 7 Pecados Capitais. A imagem que se é formada dele é o da fome, o da vontade de comer excessivamente e sem um pingo de moderação em sua compulsão. Não deixa de estar errado tal conclusão imposta na sociedade, mas o que se é deixado para trás é a fome de outras coisas além da comida. A Gula surge na vontade de querer algo por compulsão, sem saber se controlar, querendo sempre mais e mais e não dando valor a coisas mais importantes. É querer aquilo mesmo sem ter condições de possuí-lo, de fazer o que for necessário para se conseguir o prêmio final. A Gula se define na fome excessiva de tudo que se pode imaginar, seja de comida, de um desejo reprimido, de uma vaidade infantil ou de tantas outras coisas mais.



Luxúria

É, talvez, o pecado mais falado e comentado dentre todos os outros. Seu nome é bastante curioso, pois se aparenta muito com a palavra LUXO e isso causa um certo conflito de idéias. A Luxúria pode ser muitas coisas escondidas e que não paramos para pensar normalmente. Ela vai além do sexo e da banalização do mesmo, pois na real, a Luxúria é o prazer que se tem com tais coisas mundanas e que ao fim despertam o mesmo sentimento. Sexo e Luxo podem entrar em conflito mas estão completamente de mãos dadas nesta situação. A beleza, a sedução e a essência da sexualidade, de saber mexer com o corpo e suas sensações para que no fim ocorra uma explosão de desejo, assim ocorre o mesmo com o luxo, transformando aquela sensação de poder ter aquilo que quer, aquilo que tanto desejava em uma explosão de desejo. O luxo é a sexualidade traduzida em termos menos eróticos, se assim possa ser dito. É aquele clima envolvente, a maciez da voz, aquela situação hipnótica e vermelha que consegue tranformar o bom e o mal em um empate total do ser humano e que transborda, depois, em prazer e gosto.




De forma ou de outra, os 7 Pecados estão trivialmente infiltrados em cada momento de nossas vidas e não se tem como fugir deles, afinal somos seres humanos e todos nós pecamos (quem dizer que nunca se viu querendo mais do que queria, sentindo-se o maioral, sem vontade de fazer nada durante o dia além de ficar deitado ou até mesmo quem nunca teve um pensamento impuro que seja trate de ir se confessar, está mentindo!!). Seja no pensamento, na atitude ou na promessa, os pecados conduzem o ser humano a tomar atitudes que nem sempre possuem volta. Suas essências os tornam sempre diferentes um do outro (como já dito) mas estão sempre se esbarrando e se coligando, dando forças para seus companheiros para inundar o interior de quem os acolhe. Trazem seus prazeres, que se tornam infinitos enquanto duram, mas também sua destruição com consequências fortes e de breve alcance.

Não temos como fugir deles, somos imperfeitos e condicionados a isso, mas podemos e temos o controle de sabermos a hora exata de deixarmos de usá-los. Pois tudo que é ao extremo causa destruição e com os pecados, a destruição é a INTERNA DESTRUIÇÃO DE SI MESMO.

Bem, creio eu que seja só isso por hoje,
espero que o texto cause pensamentos em vocês.. gosto disso!
Então, até mais pecadores.

domingo, 24 de maio de 2009

O Choro Desconhecido

Ultimamente, não sei se alguém percebeu tal coisa, tenho estado bastante empolgado em postar neste blog, que depois de muitas indas e vindas, idéias furtivas e indecisões básicas de minha mente, começou a tomar uma cotidianidade bem corriqueira (cada palavra hein?) e que pretendo levar a diante...

Então: Mãos a Obra!

Hoje estou aqui para falar de algo bastante curioso que vi ontem de madrugada enquanto tentava pegar no sono. Com o mexe e remexe sobre minha cama, resolvi definitivamente parar de tentar dormir e comecei a ver televisão que estava ligada fazia um tempo. Em uma hora daquelas não tinha muita coisa que prestasse passando, então resolvi ver Altas Horas, que aliás eu gosto bastante. Foi quando então, em um quadro que me parece relativamente novo, onde Sérginho Groisman entrevista alguém dentro de um carro, surgiu uma mulher com uma carreira bastante peculiar e que me chamou a atenção.


Itha Rocha está no mundo das Carpideiras desde muito pequena já que sua mãe trabalhava nesta área diferente e lhe apresentou os gostos e desgostos de tal profissão que existe a mais de 2 mil anos.

Acabando com a surpresa, a função de uma Carpideira é chorar. São profissionais femininas, onde recebem um certo valor monetário para chorarem em velórios de pessoas com as quais não possuem nenhum sentimento ou grau de parentesco.

Pode até ser estranho, mas para mim, pareceu algo no mínimo curioso e interessante, afinal, quem precisa pagar para se ter alguém chorando no próprio velório? A resposta, dada pela própria Itha Rocha, é bastante conclusiva. Ela diz que o choro sobre o corpo de alguém que morreu ajuda na passagem da alma do falecido para onde quer que ele vá e quanto mais gente ao seu redor chorando, melhor.

Além disso também, existem casos onde a família está mais preocupada com a herança deixada, com a escritura da casa ou com o testamento a ser lido e esquecem de certa forma do corpo ali velado, então a Carpideira, vai de encontro ao defunto e tenta acalmá-lo de certa forma em relação a tudo aquilo.

Para as Carpideiras, mais propriamente dito Itha Rocha, ir em velórios é algo bastante confortável e prazeroso, pois gosta daquele momento de união entre os familiares, da explosão de sentimentos e da franqueza no choro de cada um.

Muitas famosos já tiveram Carpideiras em seus velórios, como Lady Daiana, Clodolvil Hernandez, Airton Senna e muitos outros. O trabalho dessas profissionais variam entre missão, que é quando elas não recebem nada por sua presença e choro, e negócio. Além disso, muitas pessoas já possuem a presença delas reservada no dia de seu velório, que ocorrerá algum dia no futuro.

video
(Entrevista com Itha Rocha no Altas Horas)


Sinceramente, achei essa curiosidade bastante diferente e interessante para se postar aqui e por isso, tratei logo de digitar o que tinha para contar. Bizarro, estranho ou completamente sem noção, muitas mulheres levam a vida desse jeito e por ser uma profissão como todas as outras, merece seu devido respeito. (rsrs)

Bem, por hoje é só...
até a mais ver!.!

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Selado!

Estava eu, calmo e solitário, vagando pela imensidão chamada Internet, quando uma amiga minha, que também possui um Blog muito bom, me veio com uma conversa pra lá de estranha: " Eu te mandei um Selo". Logo eu me vi pensando "Santo Deus, o que é isso?" e ela tratou logo de me explicar do que se tratava o tal SELO.

Pois bem, a escolha dessa minha amiga de me passar o selo, se deve ao fato dela ter achado interessante qual seria minha resposta para a pergunta que vem junto a pequenina figura. Devo admitir que é verdade, me peguei pensando toda a semana, já que ele me passou esse selo semana passada, em que resposta dar a tal pergunta que querendo ou não, por meu ver estranho, é um tanto psicodélica.

Valeu Jaque! (girls-are-pretty.blogspot.com)
Gostei pra caramba... meu primeiríssimo Selo!! (espero ganhar mais daqui para frente rs)


Vamos as regras:
1º- Passar este Selo para 7 Blogs.
2º-Responder a Questão: O que significa para si ser um homo sapiens?


Blogs indicados:
- http://sweetpattycobain.blogspot.com/
- http://worthless-stuff.blogspot.com/

O que significa para mim ser um homo sapiens:
Para mim, ser Homo Sapiens é ser nada mais do que um simples produto de Super Mercado. Nós vivemos em um mundo onde tudo que se existe é classificado e organizado por suas características, creenças, opniões e tudo quanto é mais de informação existente. Talvez, o ser humano precise disso, eu mesmo adoro organizar e catalogar coisas, mas existem certas "coisas" que ultrapassa o limite calculado. Homo Sapiens, aquele que tem o dom de pensar e fazer coisas conscientemente, sinceramente, eu acho que meu cachorro pensa mais do que eu em certos momentos. Algumas de suas atitudes e espressões me fazem ver o quanto racional ele é e como isso o torna especial, porém invisível. Nós nos achamos muito superiores por termos tal "rótulo", mas é por achar que somos tão superiores, que nos tornamos seres inferiores a tudo isso, pois mesmo "sem pensar" meu cachorro não mata por gosto, nem rouba por prazer mas sim, me lambe com carinho, mesmo depois de eu dizer "sai daqui!".

Bem, creio eu que seja só isso... não tive como colocar os 7 blogs, mas tudo bem, espero conhecer mais blogs o bastante para poder destribuir Selos a torto e à direita... então até mais! ^^

domingo, 17 de maio de 2009

Vou acabar raspando careca!

Engraçado como as coisas são: passei mais de dois meses sem cortar o cabelo e quando fui finalmente tosar minha bela samambaia castanha, a coisa ficou estranha.

Não que eu ache que ficou ruim, pelo contrário, gostei bastante do corte, mas o que é incrível e mais me chama a atenção é o fato de que nunca, eu disse NUNCA, meu cabelo fica como eu queria antes de cortar. Além do mais, essa pequena experiência me fez também pensar em uma coisa bastante interessante: homem também não pode ter problemas com o cabelo não?

A gente também sofre, caras leitoras que existem e ainda não existem deste singelo Blog. E por mais que não pareça, decidir um cabelo maneiro, que fique de acordo com o nosso gosto e que não fique feio na frente das meninas, é uma coisa bastante complicada.

Me lembro como se fosse ontem, quando era apenas um garoto e meu pai me levava para o cortar o cabelo num barbeiro (isso ainda existe?) que existia na rua do Metrô. Naquela época eu apenas cortava de acordo com o que meu pai mandava e não tinha nenhum censo de ridículo ou de vontade (embora, sinceramente, meu cabelo não era tão ruim assim).

Mas hoje eu penso e vejo que muitos garotos pensam igual: Como cortar o meu cabelo? São tantas coisas novas que existem e vem surgindo a cada dia que nossa cabeça fica um tanto bagunçada. Nós homens, também temos idéias de cabelo e queremos colocar em prática, mas será que um dia conseguiremos?

Já tive todo o tipo de cabelo que se possa imaginar: arrepiado, dividido no meio, comprido (a coisa era medonha, confesso) e ultimamente tive a lisonjeira idéia de colocar uma franja para o lado (só para maiores informações, nada de EMO ok?) e mesmo assim, não achei um corte diferente e legal para mim.

Sabe quando você está com aquela vontade louca de comer alguma coisa e não sabe exatamente o que é? Ai você abre a geladeira, fica uma meia hora pensando no que tem dentro dela para ver se bate com a sua idéia de comida perfeita e percebe que o que você quer, não está lá dentro. Olha no armário e acontece a mesma coisa e dessa forma vai levando o dia inteiro, até perceber que o que você quer comer, não existe. E eu estou começando a pensar que o cabelo que eu quero, também não existe.

Uma coisa que eu aprendi de acordo com os anos e com as experiencias cotidianas é: não tentar copiar cabelo de gente famosa. Já tentei fazer isso, duas vezes e aprendi que não dá certo. Pensem comigo companheiros masculinos de cabelo, eles tem dinheiro e nunca, jamais, que cortariam o cabelo em um cabeleireiro da rua do Metrô de cinco ou dez reais e se eles podem cortar por um preço caro, com certeza vão gastar o mesmo ou o dobro para cuidar depois.

As vezes isso tudo é psicológico (coisa de louco né?) ou quem sabe não, só estamos correndo atrás do melhor para a gente. O problema, acho eu, é esperarmos demais daquilo que outra pessoa faz. Quantas vezes nem explicamos direito o que queremos para o nosso cabelo? Fica na responsabilidade do profissional adivinhar o que queremos. Mas também fica difícil explicarmos aquilo que nem sabemos se existe.. não é mesmo? (vou raspar careca).

Portanto, meus caros companheiros, se vocês tem sorte de cortar o cabelo e conseguir aquilo que realmente desejam, parabéns. Agora, se forem como eu que não conseguem e continuam na busca eterna pelo cabelo mais “da hora”, minha dica é, perseverança e muita paciência para deixar o cabelo crescer e cortar de novo.

sábado, 16 de maio de 2009

De onde vem a sua INSPIRAÇÃO?

Sinceramente me pergunto isso constantemente, já que se pararmos para pensar, esse grande mistério da vida, dentre tantos existentes por ai, acontece de forma mágica para cada um de nós e reflete de forma completa no modo como a utilizamos.
Geralmente ocorre em algum lugar, estamos lá, fazendo nada ou fazendo tudo, nada interessa, quando a inspiração chega dilacera nossa mente como se congelasse nosso cérebro por alguns instantes até que o calor da idéia possa descongelá-lo e ordená-lo para que comece seu trabalho.
O mais estranho na inspiração é que ela surge como um raio, não importa onde esteja, ele vai lhe atingir. Por exemplo, alguém que está escrevendo este pequeno texto, no caso eu, costuma ter inspiração em um lugar bastante singular, sim meus caros, minhas melhores idéias surgem durante o banho. Não sei o que ocorre exatamente, talvez sejam as gotas de água caindo no meu rosto, ou o ambiente em que me encontro, não sei exatamente, mas que é fato, é: Quando estou tomando banho, minhas idéias surgem quase que simultaneamente.
Quantas e quantas vezes não escrevi poemas no boxe? Claro que depois tive que correr para anotá-lo em um papel, senão o vapor ia apagá-lo e a inspiração teria vindo à toa. E quando a inspiração surge em lugares demais de imprórios, como num ônibus vagando em um lugar desconhecido ou minutos antes de começar o vestibular, o que fazer? Simples, ou você guarda tudo na sua brilhante mente para colocar no papel mais tarde (neste caso, prepare-se, a guerra entre o esquecimento e a força de vontade de lembrar começou!), ou você pega algum pedaço de papel de qualquer lugar (vale de tudo: embrulho de pão, jornal, envelope... eu por exemplo já usei Boleto Bancário, nem imagine a luta para escrever entre aqueles espaços "enormes") e escreve tudo o que lhe vier a cabeça, sem pensar, somente deixando sua mão fazer tudo livremente.
Sinceramente não tento entender a Inspiração, pois cada um tem a sua e sabe a melhor forma de instigá-la. Pode ser tomando banho, ouvindo uma palavra que seu pai solte em uma briga infernal, um sonho bizarro ou completamente normal que teve noite passada, filosofia própria, modo de enxergar, confronto de idéias, música, tristeza, felicidade, amor, alguém... No fundo, tanto faz o modo como você capta sua inspiração, contanto que você saiba como utilizá-la de forma criativa e diferente, já que depois que ela e você se tornam apenas um, a arte decorrente se torna perfeita.

" A Inspiração é uma luz que surge do nada, chega, te acorda e te faz viajar na mais louca e longincua viagem para dentro de si mesmo. "

Douglas Ibanez