quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Lembranças de Um Leito de Morte

----

Você se lembra quando dançamos, pela primeira vez em nossas vidas, aquela valsa sem ritmo nem coesão que você me prometeu como o primeiro presente de um eterno amor verdadeiro para uma vida inteira sem fronteiras?

Você me pegou pela mão e me levou ao seu lado por um caminho perigoso pelo qual eu me arrisquei. Se soubesse naquele tempo o risco que corri ao olhar em seus olhos, talvez faria tudo novamente e te deixaria me guiar não só por uma música, mas por uma trilha sonora inteira de magia e eternidade.

De seus calçados vazaram brilhos que jamais pensei existir. Eram pequenos diamantes que cintilavam a cada som de nossa música, subindo e descendo em pequenos espirais dourados, apagando minha mente do redor, me conectando solamente a você e no futuro interminável que seu olhar me prometia, unindo nossa vida dupla em apenas uma.

Eram apenas vultos que contrastavam sua beleza. Fantasmas que deixaram de existir batida a batida de um coração conjunto, grudado pelo vermelho do dançante sangue daquela noite, chamado de amor, chamado de princípio, o princípio do eu, o princípio do você.

Mas agora, neste exato momento, chegou o fim de nós dois. Deitados na mesma cama há cem anos, deitados no mesmo amor desde o nunca antes e o para sempre.

Se como dizem os ainda fantasmas circulando ao meu redor e eu existir para sempre em outro mundo no momento mais feliz de minha vida, irei dançar eternamente aquela valsa com você. Pois eu a continuo dançando há anos e anos e morrerei fazendo isso, logo depois de você, para que eu continue ao seu lado, em meu primeiro presente de amor, em meu primeiro presente de uma verdadeira vida.

Até daqui a pouco, meu velho.

Douglas Ibanez

7 comentários:

Eduardo Montanari disse...

O texto me remeteu a uma foto antiga, amarelada, jogada num canto de uma casa velha e abandonada. Lembranças. Lembranças.

La Sorcière disse...

Triste e absolutamente LINDO :)
Adoro os seus textos.
Pq vc não foi se encontrar com a gente na Bienal?? Heim? Heim??
IMPERDOÁVEL!

Lis disse...

Voando por aí, caí aqui.
E que lindo esse seu texto, amei, me emocionei!


beijos meus... estou te seguindo.

Caio Lima disse...

nossos avós...

caraaai q bonito

especialmente a última frase: "Até daqui a pouco, meu velho".

me deu um negócio estranho agora...

mas enfim
bom final de semana pra vc Douglas =)

Adrielly Soares disse...

Lindo, demais.
O sonho de todas as pessoas que acreditam em amor.

Beijos.

Kézia Lôbo disse...

Me deu uma certa nostalgia, lembrei de um filme antigo bem triste!!!
XD

Amar é foda. disse...

olá, até certo ponto achei que o texto falava de um relacionamento que terminou, deve ser pq é isso o que aconteceu cmg. ótimo blog. bjos