sábado, 19 de janeiro de 2013

Desejo de Criança


Pai, quero aquele avião super à jato que você me prometeu e não me deu. Quero poder voar com ele para contar as estrelas do céu, descobrir quantos seres há na Terra e quantos fora dela. Quero enxergar o universo, ainda que ele possa não existir. Quero descobrir qual mundo gira com a gente, qual galáxia brinca entre nós.

Pai, estou querendo aquela bicicleta que não ganhei ano passado. Sem ela não tem como, não vai dar. Preciso de rodas para poder sair de casa, quero conhecer, o tudo desbravar. Sei que perigoso pode ser, mas não se preocupe estarei bem, sou ninja desde criança, sei lutar karatê. Pare de me olhar desse jeito, ou te mostro quem aqui é bebê. Tenho espadas de baixo da cama e lasers para dar e vender.

Pai, quando vai me dar aquela garota que eu tanto quis? Por favor, nada de Rosa espinhada, eu quero é Flor de Liz. Confesso que não sei como tocá-la, tenho medo de desmanchá-la, como posso cheirar sem machucá-la? No fundo não consigo entender sua profundeza, é muita loucura para tanta  delicadeza. Garotas são estranhas, prefiro minha bola, mas não consigo deixar de pensar nela, em mim ela sempre se enrola.

Pai, preciso daquele carro que o senhor disse que me daria, assim que 18 eu completaria. Tenho muito o que levar, não tenho tempo a esperar, por isso não me deixe nervoso, estou ficando ansioso. Quanto antes eu partir, mais cedo vou voltar, com uma gata a garantir e um sorriso de agradar. Não se preocupe, não correrei, apenas vou-me indo. O tempo, a pressa, a juventude me consumindo. Para o sempre viverei.

Filho, onde está a vida que me prometeu trazer de volta? Aquela que saiu hoje mais cedo, com meu carro, sem meu freio e nunca mais voltou do nada. Preciso dela para respirar o meu passado, ser eu me parece uma tortura. Fecho os olhos neste instante, oro a Deus pedindo ajuda. Um porquê de sua ida, um perdão por sua partida. Consigo vê-lo ao meu alcance, me lembro de ter a minha altura, um sorriso de menino, uma alma de romance. 

Vá meu filho, conte as estrelas de seu universo por mim, pedale pelas linhas desconhecidas encontrando pétalas a serem compreendidas no fim. Um fim que não existe, nunca existiu, mas que aspiro em conhecê-lo desde o momento em que você para sempre partiu. 

Douglas Ibanez



Um comentário:

Paty disse...

Lindo, lindo, lindo. Vai escrever um livro menino! rs
Tem selos pra você no meu blog!!