sexta-feira, 12 de março de 2010

Inspiração


Todo dia me pergunto, qual o limite que divide a sanidade da loucura. Talvez seja uma corda, trançada a outras duas com a força necessária para segurar um navio e não deixar que o insano navegue pelos mares e males profundos de uma mente adocicada.

Ainda assim, pode existir uma fina linha turva, de seda extraída direto do bicho, tilintada de marfim e molhada ao som do calejado orvalho da manhã, que costura o louco com o inlouco, enquanto mescla seus tecidos de segunda mão, transformando toda sua insanidade normalizada ou normalidade insana em uma psicodélica colcha de retalhos para aquecer o nosso são.

Mas é claro que isso é subjetivo. O espelho da reflexão contrária pode refletir o mundo enlouquente inexistente de nossa mente difusa ao mesmo tempo que nos permite um escape de um mundo sem barreiras, onde as maravilhas acontecem e os relógios correm no sentido contrário, enquanto o tempo parece não passar. Ele corre, corre e corre, como se estivesse atrasado para um chá das cinco ou das seis, mas ainda continua parado em sua loucura habitual de tecido azul profano e lívido.

Ah! Como eu queria nadar nos mares prateados do mundo espectral de um espelho sem fim. Descobrir as verdades guardadas e as mentiras infiltradas em suas aparências reais da mente humana. Me banhar de confusão e mergulhar no proibido oculto da realidade absorvida e de sua verdadeira face desmiolada, enquanto me enxergo do outro lado, olhando e pensando enquanto questiono sua real existência.

Todos nós temos a opção do retorno, que nos protege do perigoso infinito de destruição. Pode ser aquela corda trançada, louca e insana, que nos salva do prazeroso afogamento nos mares dos males internos do nosso ser. Ou a linha fina de fada que nos trás a superfície e nos dá o verdadeiro ar tingido de vermelho que nos carrega pela vivente imensidão.

Mas o que é uma vida em segundos espelhados, senão apenas o encontro de seu olhar carente com a solidão de teu eu. O vago irrespirável que se traga para fora como uma fumaça de cor desconhecida, impregnando em nosso ser e tornando aquilo que algo misterioso nos diz que é.

Sabe, nadar nos sete oceanos do incerto em busca de respostas para o impossível não é tão necessário quanto o beber de suas águas e trazê-las para a realidade morbidante de uma vida sem imaginação. Seca, dura e totalmente desigual por suas igualdades.

Douglas Ibanez


10 comentários:

Déia disse...

É lindo, a linha é discreta, tênue, tão invisível que as vezes circulamos entre os 2 lados..rs

bjkas

ps - casar na praia deve ser tudo de bom, né?

bj

La Sorcière disse...

Achei seu texto lindoooooo :)
Leve, elegante e bem escrito. Gosto do seu estilo, é limpo, prende a atenção... vc é realmente muito bom!
Um beijão,
Alê

Déia disse...

Boa semana!!

bjinhos

Belle disse...

Douglas, que texto é esse!!!
Mexe com contradições mto bem!!!
Jogo maravilhos com as palavras!!
Mto bom visitar esse seu blog.. sempre!!
BJOS

Mariane disse...

Meu amigo! Para tudo e bate palma...

Lindo! O último parágrafo foi suspirante, parabéns!!

Um excelente final de semana...

Bjoooss!

railer disse...

a linha é tênue mesmo, cuidado pra não passar pro outro lado... ou será que já estamos do outro lado?

Rafael Tadeu de Matos Ribeiro disse...

Olá,
Parabéns pelo blog. Conheça os meus blogs:
www.imperativocientifico.blogspot.com
(divulgação científica) e
www.petalasesepalas.blogspot.com

Abraço
Rafael

Sweet Patty disse...

lindo lindo, belo texto!
és leitor da cult?
ótima revista, seus textos me lembra a revista.

adoro essa imagem do auto-retrato, vi em um dos livros de meu pai.

Simplesmente Outono disse...

Certezas assustadoras, contundentes além do suportável. Magnitude: palavra perfeita visto tamanha grandeza de sentimentos. Corroboro com evidente verdade. Em determinado momento da história a vida nos impõe o seu basta esgotando toda e qualquer possibilidade de lutar contra. Perdermos as forças e involuntariamente abrimos a guarda. Assim, um dilema foi estabelecido. Lutar contra: dor infinitamente maior do que lutar a favor. Quando a luta é a favor não há dor, esta é a verdade. Saudade, muuuuita saudade das tuas letras. Com extremo carinho e respeito do mesmo Outono de sempre.
Algum e-mail de contato?

Giuliana disse...

Poético. Verdadeiro.
Adorei o texto :D